PC cumpre mandados de prisão de busca e apreensão em Araguatins, Axixá, Augustinópolis, Buriti e Palmas.

La Cabana - Software gestor de hotéis e pousadas desenvolvido em Augustinópolis - TO
Software gestor de hotéis e pousadas desenvolvido em Augustinópolis – TO

A Polícia Civil deflagrou na manhã desta sexta-feira 22 de março, uma operação que “mira” funcionários públicos do Instituto Natureza do Tocantins (Naturantins), suspeitos de oferecem serviços para regularizar propriedades rurais autuadas pelo próprio órgão. Segundo a PC, a operação é realizada, na capital e mais quatro municípios situados na microrregião do Bico do Papagaio.

De acordo com informações da Polícia Civil, agentes cumprem nos municípios de Araguatins, Axixá, Augustinópolis, Buriti e Palmas, 8 mandados de prisão para quatro funcionários do Naturatins, além de fazendeiros e pessoas que trabalhavam na empresa que oferecia o serviço. Também serão cumpridos 13 mandados de busca e apreensão.

As investigações apontam que os suspeitos possuem um escritório particular onde oferecem serviços para regularizar propriedades rurais multadas pela Naturatins.

O delegado Thiago Rustorff , relatou que os suspeitos utilizavam das informações que eles têm dentro do órgão para atender donos de propriedades rurais da região que foram multados ou tiveram atividades embargadas.

“Valendo-se de informações privilegiadas que tinham dentro do órgão, na condição de servidores públicos, buscavam os fazendeiros após as multas e ofereciam a eles o serviço através dessa pessoa jurídica para desembargar a obra. Toda aplicação da multa vinha acompanhada de um embargo da propriedade rural e com isso os fazendeiros ficavam impedidos de realizar qualquer comercialização, qualquer atividade na sua propriedade”, disse o delegado.

Leia também
comments

Eduardo Ferreira

Editor-chefe do Portal Voz do Brasil, entusiasta político cheio de opiniões e acadêmico de Ciências Contábeis na Universidade Estadual do Tocantins (UNITINS).