AUGUSTINÓPOLIS: vereador Antônio Queiroz continua foragido da justiça

vereador Antônio Queiroz continua foragido da justiça
Antônio Queiroz – Foto: reprodução
AUGUSTINÓPOLIS: vereador Antônio Queiroz continua foragido da justiça


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Segundo o Portal AF Notícias, o vereador Antônio Queiroz investigado na Operação Perfídia, deflagrada pela Polícia Civil na última sexta 25 de janeiro, continua foragido. A investigação aponta que dez parlamentares da Câmara Municipal de Augustinópolis, integravam um esquema de corrupção e propina em troca de aprovação de projetos da prefeitura do município. 
Antônio Queiroz é irmão do ex-deputado estadual Manoel Queiroz. Foi eleito vereador para o segundo mandato com 521 votos nas eleições municipais de 2016 pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), na coligação ALIANÇA POR AUGUSTINÓPOLIS – TO.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Durante a operação a polícia prendeu seis vereadores. Três eram considerados foragidos, porém Wagner Uchôa se entregou na tarde de sexta-feira (25) e Edivan Neves na madrugada de sábado (26).
Além das prisões, os policiais apreenderam computadores na Câmara de Vereadores, na prefeitura e na residência dos alvos ainda serão analisados. Será averiguado se há outros elementos que possam comprovar outros crimes. É muita coisa para analisar. Temos o prazo de cinco dias até a soltura dos envolvidos”, contou a polícia.
Leia também
Entenda o caso
Dez Augustinópolis: vereadores alvo da Operação Perfídia, deflagrada pela Polícia Civil, região do Bico do Papagaio, foram presos temporariamente na operação intitulada “Perfídia” deflagrada pela Polícia Civil na manhã desta sexta-feira (25). A investigação aponta que os vereadores presos cobravam propinas para aprovar projetos enviados pela prefeitura do município.
A investigação aponta que o esquema de propina movimentava R$ 40 mil por mês. Apenas sete vereadores foram presos e três são considerados foragidos. Apenas o presidente da Câmara Cícero Moutinho não foi alvo da operação e continua no cargo.
O Ministério Público Estadual determinou também o afastamento dos vereadores por 180 dias, com isto os suplentes devem ser nomeados imediatamente para ocupar os cargos.
Vereadores alvo da operação:
Maria Luisa de Jesus do Nascimento
Antônio Silva Feitosa
Antônio Barbosa Sousa
Antônio José Queiroz dos Santos
Edvan Neves Conceição
Ozeas Gomes Teixeira
Francinildo Lopes Soares
Angela Maria Silva Araújo de Oliveira
Marcos Pereira de Alencar
Wagner Mariano Uchôa Lima

Leia também


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *