Augustinópolis: Câmara de vereadores gasta mais de R$ 46,4 mil com recargas telefônicas para celulares

Augustinópolis vereadores gasta mais de R$ 46,4 mil com recargas telefônicas para celulares
Câmara de Augustinópolis Foto/Divulgação

Câmara de vereadores gasta mais de R$ 46,4 mil com recargas telefônicas para celulares


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Os gastos da Câmara Municipal de Vereadores  do município de Augustinópolis – TO, com aquisição de créditos (recargas) telefônicas para celulares da operadora Vivo, destinados ao uso nos aparelhos celulares da Câmara Municipal, durante o exercício de 2017/2018, chegam quase aos R$ 47 mil. O levantamento exclusivo realizado pelo Portal do Voz Brasil, aponta com base nas informações do Portal da Transparência, que foram gastos em 2017, exatos R$ 27.500 (vinte e sete mil e quinhentos reais) e R$ 19.980 (Dezenove mil e novecentos e oitenta reais) em 2018.
O levantamento demonstra um exagerado gasto com a telefonia celular. A reportagem também apurou que a despesa não caracterizaria ilegalidade, mas moralmente significa um desperdício de recursos públicos que poderiam ser contidos. Confira abaixo
Ano 2017
Ano 2018
A divulgação do detalhamento de gastos do Portal da Transparência da Câmara de Vereadores com celular não revela quais são os vereadores que mais gastam com telefone.

Leia também

Benefícios dos Vereadores
Varia de município a município e geralmente são decididos em sessões plenárias realizadas na Câmara Municipal. Cada gabinete tem um limite de verba mensais para cobrir gastos como pagamentos dos assessores, combustível, serviços gráficos e postais, consultorias e outros serviços técnicos, telefonia, viagens oficiais, compra de material para escritório, assinaturas de jornais e revistas, dentre outros.
Quantos assessores um vereador pode ter?
Mais uma vez, para definir um número exato é necessário levar em conta o porte do município. Isso é ainda mais complicado porque volta e meia os parlamentares propõem a contratação de novos assessores, na maioria das vezes aprovadas pelas Câmaras Municipais.


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *