Polícia Civil prende quadrilha suspeita de roubos na região do Bico do Papagaio e no Maranhão

Polícia Civil prende quadrilha suspeita de roubos na região do Bico do Papagaio e no Maranhão


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A Polícia Civil conseguiu prender cinco suspeitos de integrar uma quadrilha que praticava roubos nos estados do Tocantins e Maranhão. A Operação Inverso foi realizada na região do Bico do Papagaio pela Polícia Civil.

Francisco de Assis Novaes da Silva, Michael da Silva Carvalho e Deivison Sousa Santos foram presos em Imperatriz (MA). Um dos mandatos foi contra Micael Souza Rodrigues, que já estava detido na cadeia pública de Augustinópolis e Matheus Alexandre de Oliveira Almeida, encontraddo em Sítio Novo do Tocantins. Outros dois suspeitos continuam foragidos e estão sendo monitorados.
A ação foi realizada nesta segunda-feira (1º) pela Polícia Civil do Tocantins, por meio da Delegacia Especializada em Investigações Criminais com o apoio do Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE) e da unidade do Centro Integrado de Operações Especiais (CIOPAER).
De acordo com as investigações roubos foram registrados em Sítio Novo, São Miguel do Tocantins e no interior do Maranhão, entre os anos de 2016 e 2017. A polícia também identificou a prática de tráfico de drogas interestadual em que um dos criminosos conseguiam entorpecentes em Goiás e levavam para o Bico do Papagaio para comercialização.
Em Sítio Novo, foi feita uma busca e apreensão na residência de Matheus Alexandre onde encontraram um revólver calibre 38, além munições. Matheus foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. De acordo com delegado Thyago Bustorf, a arma de fogo havia sido utilizada em um dos crimes anteriores.
“Nas investidas criminosas, os autores sempre atuavam mediante emprego de arma de fogo e com restrição de liberdade das vítimas, que eram amarradas e trancadas em um dos cômodos das casas. Verificou-se ainda que havia prévio levantamento da quadrilha quanto à existência de valores no interior das residências”, comentou o delegado Thyago Bustorf, responsável pelo caso. (com informações do G1)


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *